No Labirinto De Outubro: Cem Anos De Revolução E Dissidência

Sinopse

O primeiro capítulo, «Revolução, paradigma, dissidência», reflete sobre a história da ideia de revolução e os avatares contemporâneos das suas dinâmicas e ritmos. O segundo, «A construção do Outubro Vermelho», ocupa-se mais objetivamente da Revolução Russa, da sua história e da sua interpretação. O terceiro capítulo, «Edificação, violência, centralismo», segue ao encontro de três dos elementos que ajudaram a compor aquele paradigma e possibilitaram a sua imposição. No quarto, designado «Os artistas e os intelectuais», refere-se a importância da construção de uma «cultura comunista» autónoma, dotada de longo lastro e com forte dimensão internacional. No quinto capítulo, «Percursos da crítica e da alternativa», acompanham-se itinerários, questionamentos e adaptações do modelo, na perspetiva do caminho para o socialismo como um processo integrador da diversidade. Por fim, no sexto capítulo, «Dissidências e novos horizontes», apresentam-se casos exemplares de divergência orgânica e intelectual no campo da esquerda em relação ao paradigma preponderante na leitura, feita principalmente a partir do segundo pós-guerra, do impacto emancipatório da Revolução de Outubro, assim como do refluxo do seu prestígio durante os «longos anos sessenta» e depois a seguir a 1989.